10 de fev de 2009

dez de fevereito de dois mil e nove

Pai, to indo embora. Na verdade, já cheguei. Não sei se o senhor aprovaria isso, ainda mais estando entre a gente. Mas eu vim. Eu precisava. Desde quando você se foi, acho que não houve momento algum em que eu me senti mais vazia do que meus últimos meses antes de vir pra cá. Sabe pai, eu achei que tudo seria mais fácil. Eu achei que, já que eu estou 'na metade do caminho', as coisas só melhoram. Mas não. Claro que não. E, agora, eu acho que tudo só vai piorar mais e mais e mais. Nunca se ganha nada de graça, você mesmo dizia. Agora eu reconheço e conheço o significado de basicamente tudo o que você dizia. E, pai, tá tudo tão melancólico, tudo tão nostálgico. Ao mesmo tempo que eu me sinto feliz, vem uma infelicidade em dobro. Uma vontade de chorar. Um aperto no peito. Embora eu sinta que eu não tenha feito nada de tão errado, tudo sugere que esse foi o meu pior erro. Que tudo o que eu fiz achando que era certo (certo de acordo comigo) foi o mais errado possível. E tem mais. Tudo mudou tão completamente. Tão da água pro vinho. Tão repentinamente, também. Agora eu sei o que significar 'me virar sozinha', e aposte que não é nada como eu gostaria e imaginava que fosse. Mas é bom pra eu crescer como pessoa, pra e não ter vinte anos nas costas e não saber nada de nada. Eu sinto tanto a sua falta, pai. Sinto saudade do que eu não tive. Saudade de sentar e conversar com você. De aprender com você. Com a pessoa mais rica de personalidade, de vida, de espírito. Com aquele que é o que eu mais admiro, acima de tudo e todos. Assim eu acho que eu teria feito muita coisa diferente, e acho que você concordaria comigo nesse ponto. Mas tudo vai melhorar, tudo vai passar. Ou pelo menos eu vou me acostumar com tudo isso. Com essa falta de felicidade repentina, sem querer soar uma melodramática. Mas pai, eu acho que você sabe do que eu to falando. Enfim, não se preocupe comigo, repito que tudo vai ficar bem. Eu espero.
Sinto saudades suas, exatamente como você imagina.
Sempre sua, Anna Beatrice.

Nenhum comentário: