10 de dez de 2009

ali, aqui, acolá

Hoje, conversando com a T., coloquei meu cérebro pra funcionar depois que disse uma coisa sem pensar. Estávamos falando sobre assuntos que não precisam ser especificados, quando solto: 'Tem sim, mas está longe de você, sonhando contigo todas as noites. Só que você não é você, é um vulto preto, porque ele não (re)conhece a sua cara.'. Essa pseudo-teoria me fez parar pra pensar durante uns bons minutos.
Por mais que falei a primeira coisa que me veio em mente e nunca tinha parado pra pensar sobre isso, eu acredito no que disse. Acredito que, em algum lugar do mundo, exista alguém sonhando com a personalidade, jeito, gostos e características da T., por exemplo. A pessoa dos sonhos é real. Ela existe, em algum lugar do mundo. E a T., ao encontrar ela, pode não se deparar com o dream-boy que ela idealizou, certamente. Mas alguma coisa nele vai chamar a atenção dela - tirando o fato dela ser tudo o que um dia ele aspirou - e ele, consequentemente, vai se tornar quem ela quer - ao menos na percepção dela. E a mesma coisa acontecerá com o menino-dos-sonhos dela, quando ela se deparar com ele. Não existe apenas uma pessoa exata para T., pra mim ou pra você. Temos duas, três, quatro, mil, seilá. É incabível essa história de 'alma gêmea', 'metade da laranja', ou que for. Há pessoas que servem ou não servem pra você. E pode até ser que alguma delas já tenha passado pela sua vida, sem a sua percepção. Mas isso é assunto pra outro texto.

'Robin é melhor que a garota dos meus sonhos. Ela é real.' Paul, 500 Days of Summer.

(Dedicado, obviamente, á T. <3)

8 de dez de 2009

caio fernando abreu

Que te dizer? Que te amo, que te esperarei um dia numa rodoviária, num aeroporto, que te acredito, que consegues mexer dentro-dentro de mim? É tão pouco. Não te preocupa. O que acontece é sempre natural — se a gente tiver que se encontrar, aqui ou na China, a gente se encontra. Penso em você principalmente como a minha possibilidade de paz — a única que pintou até agora, “nesta minha vida de retinas fatigadas”. E te espero.

Harriet, Caio F A

sabe que o meu gostar por você chegou a ser amor pois se eu me comovia vendo você pois se eu acordava no meio da noite só pra ver você dormindo meu deus como você me doía vezenquando eu vou ficar esperando você numa tarde cinzenta de inverno bem no meio duma praça então os meus braços não vão ser suficientes para abraçar você e a minha voz vai querer dizer tanta mas tanta coisa que eu vou ficar calada um tempo enorme só olhando olhando e pensando meu deus ah meus como você me dói vezenquando

(possibilidade) quê

E aquele seria se transformou num tornaria que logo depois virou um distante e vago ia, ia, ia.

7 de dez de 2009

always been you

Eu quero tomar café da manhã com você no terraço, vendo o sol nascer após uma noite não dormida pela empolgação de assuntos improváveis fazendo diálogos durarem indeterminadamente, e crises de riso preencherem a escura e silenciosa noite. Eu quero chegar em casa e te ver jogado no sofá vendo TV e perguntando por que demorei, dizendo logo em seguida que achou aquele LP do Doobie Brothers que eu tava procurando - ele estava debaixo da minha cama, junto com as bitucas e roupas de baixo largadas lá na noite passada. Eu quero você me irritando só pra rir da minha cara e falar que eu fico engraçada quando irritada. Eu quero você me apertando, todo empolgado, porque conseguiu achar a agulha da sua vitrola, e que a gente ia ouvir David Bowie até entardecer. Eu quero você prendendo o meu braço e com intenção de me beijar pra acabar com a briga que já estava durando mais de duas horas. Eu quero você me acordando no meio da noite pra falar que me ama, e me abraçando contra o seu corpo. Eu quero que você ria quando eu morro o carro tentando dar partida, e depois saio cantando pneu sem querer. Eu quero você falando que eu tenho que parar de ser tão desorganizada, porque você não consegue achar as suas coisas no meio das minhas. Eu quero você olhando pra mim 'disfarçadamente' durante um filme pra ver se eu estou chorando, e rir quando eu digo, sem olhar pra você, que eu não vou chorar - e depois de cinco minutos te abraço forte por estar chorando com o enredo da história. Eu quero você reclamando quando eu espremo todos os seus cravos e espinhas das suas costas. Eu quero rir da sua cara quando você coloca a minha calça jeans que te fica super skinny e começa a fazer pose de sexy. Eu quero você me dando o melhor beijo do mundo quando a gente se vê depois de alguns meses.
E, acima de tudo, eu quero você. Não importa quando ou como. Não importa se vai ser agora ou daqui a alguns anos. Não importa nem se você desacredita no que eu digo. Eu quero você. Não é porque o tempo não anda ao nosso favor que não poderemos nos adaptar a ele e fazer tudo o que aspiramos virar real. E também pouco me importa quando isso vai acontecer. Porque eu sei que vai. E, até lá, continuará sendo você e mais ninguém.

tênue diferença.

Não se morre de amor. Se morre da falta dele. (04/12/09, 01:48 am)

3 de dez de 2009

it's alright to be alone

Pra quê deixar as músicas ao máximo que a qualidade delas podem suportar e que as caixas de som aguentam? Pra ver se elas conseguem embaralhar todos esses pensamentos e sentimentos ao ponto deu não pensar mais em nada. As vezes é bom mentir pra si mesmo.

2 de dez de 2009

Prévia

Queria apenas alguém pra conversar, dividir uma garrafa de vinho e um maço de cigarros, alguém que a ouvisse e dissesse o que queria ouvir, que visse nela tudo aquilo que realmente era e não conseguia demonstrar, que deitasse junto á ela num gramado e a ajudasse a (tentar) contar as estrelas.
Queria a liberdade de uma alma solta, aquela que vaga sem pretenção alguma, apenas concentrada no movimento do vento e no som das folhas das árvores.
Queria terminar tudo logo, sair de onde estava, ir pra onde se refugiava, esquecer do mundo e fazer que o mesmo se esquecesse dela.
Queria andar sozinha durante uma noite inteira no centro de uma cidade grande, sem portar nenhum objeto que pudesse fazer alguém entrar em contato com ela, apenas olhando as luzes, reparando nas pessoas, concentrada na música existente em cada lugar aonde passava, e ver se assim conseguia colocar seus pensamentos no lugar.
Queria ter o poder de apagar de sua memória as pessoas que conheceu - e fazer o mesmo com elas - para que pudesse ter uma primeira vez denovo, não estragando o processo desde o início, de uma relação que poderia ser tão importante quanto á que idealiza e sempre idealizou.
Queria tantas coisas, aspirava tantas situações, imaginava inúmeros acontecimentos, criava diálogos e personagens como num livro de ficção, pensava em como tudo poderia ser. E a única coisa que podia, no momento, era estar sentada em seu quarto com uma folha e caneta em mãos, ouvindo 'Dance Me To The End Of Love' tocar e sentindo a briza fria da madrugada tocar sua pele e a fazendo despertar.