31 de out de 2011

À solidão

que tudo mais se exploda, caia, quebre, coalhe
pra no meio disso tudo
sentir a calma
da confusão
em sua solitude

Nenhum comentário: